Confira 5 dicas para financiar o imóvel com o namorado(a)

Ao comprar a casa própria financiada, dê, pelo menos, 30% do valor do imóvel como entrada para conseguir juros menores. A dica, para os namorados, é que eles dividam meio a meio o valor da entrada.

Nos últimos meses, bancos e construtoras têm promovido feirões nos finais de semana para atrair consumidores em busca do sonho da casa própria. O intenso movimento nesses espaços mostra como o brasileiro está interessado no tema, reflexo da atual economia aquecida e da acessibilidade ao crédito. É fato, financiar um imóvel ficou mais fácil, contudo, é preciso ficar atento para não cometer deslizes no processo de contratação e colocar tudo a perder.

Vantagens não faltam nos anúncios publicitários dos residenciais: amortização de juros, parcelas baixas, e aprovação rápida da documentação. Ainda assim, colocar tudo na ponta do lápis ainda é a melhor maneira de saber se o negócio vale a pena.

Se você faz parte do clube de quem quer aproveitar o momento para investir na compra de um imóvel financiado com seu namorado, confira cinco dicas para fazer um bom negócio.

Garanta a entrada

Tenha uma reserva de pelo menos 30% do valor total do imóvel para dar de entrada. Desta maneira, você aumenta seu poder de negociação. "Bancos veem a entrada como garantia, dando preferência para este cliente em potencial e com isso reduzem as taxas contratuais. Outra vantagem é a queda no número de parcelas, levando à quitação em menor tempo", afirma Sandro Maskio, professor do curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo.

Dica para os namorados: o ideal é que cada parte entre com partes iguais, ou seja, 15% para cada um.

Tomada de crédito

Peça sempre para que a simulação de taxas seja feita para crédito imobiliário, já que esse segmento de empréstimo apresenta índice de juros menor do que no empréstimo pessoal, isto porque o próprio imóvel serve como garantia para o banco. De acordo com o professor Sandro Maskio, taxas de até 8,5% ao ano são aceitáveis para fechar a contratação.

Dica para os namorados: tenha calma e paciência para achar a melhor taxa. Comprar apartamento não é a mesma coisa que escolher um filme no cinema no sábado à noite. Nesse caso, o arrependimento pode custar parcelas mais altas por anos e anos.

Uso do FGTS

O dinheiro acumulado no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) é um bom caminho para quem está sem verba para a entrada. O montante acumulado ainda serve como meio de redução de juros incididos sobre o valor da casa própria. Além disso, a cada dois anos é permitido sacá-lo para amortizar o saldo devedor.

Dica para os namorados: o fundo só pode ser usado durante o financiamento e não caso você compre um apartamento na planta. Até a entrega das chaves, é o casal que deve arcar com a entrada.

De olho nas taxas

No contrato de financiamento são apresentados os índices de correção que determinam o valor das parcelas ao longo dos anos. Normalmente, as alterações são feitas a cada 12 meses, com base no Índice Nacional do Custo da Construção (INCC) ou o Índice Geral de Preço do Mercado (IGP-M). Vale lembrar que no contrato deve constar apenas um índice.

Vale prestar atenção nas taxas não informadas pelos corretores, ou seja, as já embutidas no contrato e, em alguns, casos de maneira irregular, como a de segurança. O chamado Custo Efetivo Total inclui seguro e serviços da administração bancária. "Leigos não sabem diferenciar determinadas informações de contrato, por isso devem consultar o advogado que indicará se o negócio é vantajoso ou não", lembra Ana Carolina Bernardes, diretora da Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências (AMSPA).

Dica para os namorados: em vez de ficar dando beijinhos na hora de fechar o contrato, vale consultar um advogado ou um especialista na área para não se deixar enganar.

Documentação

O financiamento da casa própria ganhará velocidade com a entrega da documentação completa exigida. Por isso, mantenha em ordem: RG, CPF, comprovante de estado civil, comprovante de rendimentos, certidão conjunta negativa de débitos relativos a tributos federais, dívida ativa da União e carteira de trabalho. Também será solicitado o preenchimento de fichas com informações pessoais e de renda. Sendo aprovados os dados, o cliente deve apresentar documentos exigidos pelo banco para anexar junto à carta de crédito.

Dica para os namorados: é preciso apresentar documentos dos dois, já que é imprescindível que o contrato de compra seja feito no nome dos dois para evitar possíveis problemas futuros. 


Fonte: Redimob
 

O Pregador Copyright © 2011 | Template design by O Pregador | Powered by Blogger Templates